Introdução ao GPS

O sistema GPS (Global Positioning System) tornou possível a qualquer um ter a sua posição geográfica na Terra determinada com uma precisão entre 100m até menos de 1m. Isso é feito com a utilização de receptores (os aparelhos de GPS propriamente ditos) que recebem sinais de uma rede de 24 satélites.Este sistema foi concebido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América, no início da década de 60, sob o nome "NAVSTAR Project", como uma alternativa aos sistemas de rádio-navegação baseados em terra (NDB, VOR, TACAN, etc.).
Declarado operacional em 1995, os aparelhos perfazem triangulações com os sinais recebidos via satélite e calculam sua posição na superfície terrestre. Dependendo da riqueza da triangulação (quanto mais afastados entre si e quanto mais satélites forem captados mais rica será a triangulação), a posição geográfica será determinada com maior ou menor precisão. Os aparelhos civis sofriam a interferência de um erro artificial no sistema chamado de "disponibilidade selectiva", mas em 2000 esse dispositivo foi retirado e a precisão dos aparelhos, que era em torno de 100 metros, ficou em média dez vezes menor. Pela triangulação também pode ser determinada a altitude, embora este cálculo tenha o dobro da margem de erro com que o aparelho determina sua posição geográfica (aparelhos mais sofisticados incluem um altímetro barométrico para contrabalançar isso). É necessária vista desimpedida do céu, pois o sinal de transmissão dos satélites é de apenas 50 watts de potência. Nuvens e folhagem não impedem o contacto, embora em alguns casos se possa perder contacto com satélites em locais de densa cobertura de folhagem, unida com rochas altas próximas.
Os aparelhos GPS eram grandes, volumosos e pouco práticos, mas hoje alcançam o tamanho de telemóveis ou até menores, o que o coloca ao alcance de todos como automobilismo e motociclismo off-road, mountain bike, trekking, canoagem, etc.

Como Funciona

Waypoint (ponto): é um ponto apenas, registrado com os dados de coordenadas geográficas e altitude.
Vamos tomar como exemplo uma ida ao Cristo Rei. Chegado ao pé do Cristo Rei o teu GPS registra o waypoint. Assim, tu podes guardar aquele exacto ponto, com a latitude, longitude e altitude. Esse ponto, além dos dados alfanuméricos, pode ser-te apresentado num mapa real ou esquemático, dependendo do modelo de GPS.
Para o GPS, não importa a forma como tu chegaste ali, apenas importa o waypoint. Se tu quiseres lá voltar um dia orientado pelo GPS, ele date apenas uma linha recta até o waypoint.
As distâncias que ele te der serão apenas em linha recta, sem levar em consideração o caminho real (afinal o caminho mais curto entre aonde tu está - um ponto - e o waypoint - outro ponto -  é uma recta. Isso pode parecer pouco, mas tu sabes onde o waypoint está e quanto falta para lá chegar, mesmo que em linha recta. Num terreno que tu não conheces e sem referências claras isso pode ser a diferença entre chegar ao destino e ficar a andar em círculos.

- Route (rota) : Mais informação brevemente.

- Track (trilho) : Mais informação brevemente.

- TrackBack : O que é isso? Na função TrackBack (nem todo GPS possui, é interessante que o GPS que tu comprares tenha esta função) ele agarra no trilho gravado e leva-te a repeti-lo, tanto do fim pró início como do início pró fim. Para quê? Do fim para o início para que tu consigas voltar ao ponto inicial do teu trilho pelo caminho exacto que seguis-te, e do início para o fim para que tu possas refazê-lo exactamente do mesmo modo numa outra vez que para lá te dirigires.

Advertência : GPS e bússola.
Lembra-te de uma coisa sempre, um GPS não é uma bússola. Se tu estiveres parado, para o GPS és apenas um ponto. Imóvel ele não terá como orientar-te em relação aos pontos cardeais, ou seja não saberá para que direcção tu estás voltado. Para o fazer, é necessário andar, para que de um ponto tu te tornes um segmento de recta e aí sim, possas ser orientado. A não ser que o teu GPS tenha embutida uma bússola electrónica, mas ele não precisa obrigatoriamente ter esta característica.

Porgramas GPS : Existem diversos programas para tratar tracks e comunicar com o GPS, uns comerciais outros de utilização livre. Vou indicar alguns, o Map Source (Garmin) é o que nós utilizamos, GPSU (GPS Utility) e o GPS TrackMaker. Fazem basicamente todos o mesmo. De utilização gratuita, o GPSU (GPS Utility) e o GPS TrackMaker podem importar quase todos os formatos conhecidos e permitem agora visualizar os trilhos no Google Earth